Mergulhando na águas profundas de nós mesmos.

Então observei a praia e percebi no inicio ondas agitadas com banhistas se deliciando, outros ainda na areia aproveitando os raios solares generosos das manhãs na cidade saúde. Também observei que à medida que a superfície é vencida, o mar torna-se calmo e tranquilo, ao fundo é possível ver barcos ancorados. Nossa vida é assim, ficamos na maioria das vezes na superfície, tentando usufruir de um sol de felicidade que ainda não construímos, ou ficamos agitados na busca de aquisições materiais que a traça corrói, a ferrugem destrói e/ou os ladrões roubam, ou investimos pesado na tentativa infrutífera de modificar os outros, e quando percebemos que não conseguimos ficamos agitados como as ondas das praias agitadas. Temos uma segunda opção, caminhar nas águas profundas do nosso ser, buscando nossa essência espiritual, nosso verdadeiro tesouro. Como fazemos isso? Na Grécia antiga chamavam Ataraxia, quer dizer: “quietação da alma”. Platão chamou de mundo das ideias, nosso idealismo em projetos que ajudem a transformar para melhor o mundo, mas tudo isso sem agitação, com muita calma, mergulhando na parte mais íntima do ser. No mar do inconsciente encontraremos barcos ancorados, seres humanos que já chegaram lá.  podemos aprender com estes seres, alguns exemplos são: Chico Xavier, Madre Teresa de Calcutá, Dona Zilda Arns, Dr. Bezerra de Menezes, Gandhi, Francisco de Assis, e outros vários anônimos. Estes seres deixaram setas de luz por onde passaram para nos guiar até as águas profundas do inconsciente humano. Durante a viagem ficaremos inseguros às vezes, pois o medo de afundar e afogar nos assusta, pois nos lembra do medo da morte, neste momento lembremos-nos do apóstolo Pedro assustado e com medo de afundar nas águas: Mateus 14:26-32

“E os discípulos, vendo-o andando sobre o mar, assustaram-se, dizendo: É um fantasma. E gritaram com medo. Jesus, porém, lhes falou logo, dizendo: Tende bom ânimo, sou eu, não temais. E respondeu-lhe Pedro, e disse: Senhor, se és tu, manda-me ir ter contigo por cima das águas. E ele disse: Vem. E Pedro, descendo do barco, andou sobre as águas para ir ter com Jesus. Mas, sentindo o vento forte, teve medo; e, começando a ir para o fundo, clamou, dizendo: Senhor, salva-me! E logo Jesus, estendendo a mão, segurou-o, e disse-lhe: Homem de pouca fé, por que duvidaste? E, quando subiram para o barco, acalmou o vento.(BIBLIA, NOVO TESTAMENTO)”

Se Andarmos um pouco mais para dentro de nós mesmos encontraremos um ancoradouro, um porto seguro, Jesus Cristo, mas para isso são necessárias a fé e a perseverança na caminhada em direção a nós mesmos. Em “O Livro dos Espíritos” Allan Kardec interroga:

919. Qual o meio prático mais eficaz que tem o homem de se melhorar nesta vida e de resistir à atração do mal?Resposta: “Um sábio da antiguidade vo-lo disse: Conhece-te a ti mesmo.” 919 a) - Conhecemos toda a sabedoria desta máxima, porém a dificuldade está precisamente em cada um conhecer-se a si mesmo. Qual o meio de consegui-lo?  “Fazei o que eu fazia, quando vivi na Terra: ao fim do dia, interrogava a minha consciência, passava revista ao que fizera e perguntava a mim mesmo se não faltara a algum dever, se ninguém tivera motivo para de mim se queixar. Foi assim que cheguei a me conhecer e a ver o que em mim precisava de reforma. (KARDEC A. Ed FEB)”

Por que nos ocuparmos com a vida dos outros se temos uma caminhada imensa para dentro de nós mesmos? Por que questionarmos a sexualidade dos nossos filhos adultos se ainda não resolvemos as nossas próprias questões sexuais. Aceitar os outros como são é o primeiro passo para sairmos da superfície do mundo em que vivemos.

Aloísio é Professor de Psicologia da Faculdade Pitágoras, Palestrante Internacional, proferiu mais de mil palestras em vários estados do Brasil, Estados Unidos da América e vários países da Europa e Cuba. Escritor de oito livros entre eles “Terapêutica do Perdão” “Por entre as Dores” e “Inquietações”. Fundador e Atual Presidente da Sociedade Guarapari de Estudos Espíritas.